Páginas

sábado, 28 de maio de 2016

Lixinhos Literários no. 4

Coisas que um ninja me disse


Suprematismo (1915), Kazimir Malevich


Outro dia um ninja me disse uma porção de coisas. Duvido que ele seja mesmo ninja, mas como não há nada que prove o contrário, confio em sua palavra. É ninja.

Pois bem. Neste dia o ninja me disse que o segredo da serenidade era saber que o mundo à nossa volta não é o nosso mundo. "Eu tenho o meu mundo, que não é esse mundo aqui. Tente fazer o seguinte: quando for dormir, tente não pensar nas coisas que aconteceram no dia, pensar no que tem que ser feito, nada. Tente encontrar seu mundo."
Chorei. Era tudo o que eu precisava. Não pensar nas mazelas do mundo, nas desgraças. Saber que nada daquilo era meu, mesmo que eu sentisse que fosse. Mas então, o que era o meu mundo? Eu é quem? O que é Eu?
Eu é uma porção de pedaços. Os que eu escolho e os que eu não escolho, que vão colando em mim. Eu são as coisas que aprendi. As pessoas com quem convivi. Eu são boas e más lembranças. O que seria Eu sem as histórias que li, que me contaram? Eu é a cara de pessoas que amo e odeio ao olhar no espelho. Eu é moça sozinha, mulher casada, dona-de-casa, estudante, cult, caipira simplória e baile de favela vagando no mundo. É o gato de olho arregalado, que só confia em si. E o cão vadio, que anda sem rumo de cabeça erguida, confiante. Eu são astros, água, terra e fogo. Nessa ordem.
Será que em Eu há algo que seja realmente meu? Talvez Eu seja na realidade um grande nada. Um grande aberto. Mas um nada aberto não é necessariamente vazio. Nada não é oco, nem vácuo. Nada é alguma coisa.
Saberei quem sou no dia em que conseguir acessar esse lugar intocado, imaculado. Este aberto onde nada entra e nada sai; há só o verdadeiro de nós mesmos. Neste dia terei então conhecido a mim mesma.

Branco no branco (1918), Tela de Kazimir Malevich

Um comentário:

  1. Nossa! Que lindo! Tá chegando perto! Lao tsé já dizia : Tao é a Fonte do profundo silêncio. Que o uso jamais desgasta. É como uma vacuidade, origem de todas as plenitudes do mundo.

    ResponderExcluir

Poste aqui sua mensagem. Linguagem obscena ou agressiva não será tolerada.