Páginas

domingo, 16 de agosto de 2020

QUASE




Nós fomos quase tudo

Ou melhor

De tudo fomos quase

Batendo entraves.


Não importa.


Esses quases todos

Para mim foram tanto

Foram tudo.


Iniciações.


Mergulhar na água gelada

Tocar o fundo

E sair tremendo

Para nunca mais.


E essa intensidade toda

De que eu tive tanto e tão pouco

Me deixou no limbo

Entre o tudo e o nada.


Não sei.


De tudo que quase fomos

O que somos hoje?


É

Inomeável

Indizível

Indefinível

Indecifrável

Indomável

Intocável.


Não me importa.


É sensível

É muito

É.


E só.


quinta-feira, 23 de julho de 2020

Sou filha de Júpiter


Sou filha de Júpiter.
Nem de Cronos nem de Urano.
De Júpiter.

Reproduz,
Jorra, 
Verte.

Água verde,
Abundante,
Doação,
Mão generosa,
Grande,
Terna,
Poderosa.

Sou filha de Júpiter.
Amor que não acaba.
Coração que explode,
De tudo que for bom.

Sou filha de Júpiter.
Somo,
Divido,
Multiplico,
Mas nunca diminuo.

Transbordo.

Se for de paz e bem,
Entre e aproveite!

terça-feira, 28 de abril de 2020

Pequeno Inventário do Paraíso




Achei esse poeminha aqui, perdido nos meus escritos. Simplório, mas justamente por isso, e porque o momento faz com que a gente valorize as pequenas coisas, achei por bem postar. Um tantinho de alento...




Colo,

de mãe.
Massagem,
de homem.
Doce,
de vó.

Ombro,
de amigue.
Beijo,
de bicho.
Fruta,
do pé.

Água,
de côco.
Café,
de moka.
Brigadeiro,
de colher.

Banho,
de chuva.
Passeio,
de bicicleta.
Sorvete,
de casquinha.

Comida,
de pobre.
Bebida,
de graça.
Carona,
de volta pra casa.

Mão,
de cabeleireira.
Risada,
de irmã.
Dia,
de festa.

Sono,
de filho.
Silêncio,
de mato.
Blusa,
de lã.

Conversa,
de empregada.
Conselho,
de criança.
História,
de amor.

Cheiro,
de almoço do vizinho.
Luz,
de lua cheia,
de sol,
de estrelas.
Poema,
sem fim.

sábado, 27 de abril de 2019

A Ana C.

Podem me prender
Podem me bater
Que eu
Me recuso.

Não
Não vou
Jogar o jogo.

Me recuso,
Ao medo
À tristeza.

Ainda que me tirem
Até o último
Fio de cabelo
Ou me arranquem
As unhas

Que me chamem de todos os nomes
À vontade,
Mas me recuso,
Ao consolo,
À paz.

Pois se há vida
Há paixão
Há vontade

E revolta.
Sangue
Em constante ebulição
Que não seca.
Grito pronto
Que não sai.
Água salgada
Que não verte nem turva a vista.

Brasa escondida
Onde eu fervo
Palavras que lanham
Olhares que queimam
Gestos de abrir ferida.

Quero vocês todos assim
Feridas abertas em praça pública.
Acuso
Não me excuso
E aponto armas
Forjadas dentro de mim.

Olhai e vede
Como o senhor é bom.
Tem as mãos sujas de sangue
de gente,
de bicho,
de mundo,
de inocentes e culpados.

Olha a sua mão, mamãe!
Pai, o que é isso no seu bolso?
Vocês estão doentes?
Se machucaram?
Não quero que vocês morram.

Calma, filhinha!
Esse sangue não é nosso.
Quer ver?
Mamãe vai ali
Lavar as mãos.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

M de Meditação

Reflexões repetitivas (a)près la méditation

Atenção à respiração, à postura, relaxamento, desprendimento, concentração, a porra toda da meditação (que é excelente, por sinal), e fui parar no meu primeiro berço (do qual eu tomei consciência e formei minha lembrança por foto, a posteriori), com o corpinho metido numa fralda apenas (nasci no carnaval, fazia um calor absurdo segundo minha mãe, então eu ficava só de fralda, com o ventilador na porta do quarto, para o vento não chegar direto em mim), os pés e o rosto roçando num lençol leve, branquinho, muito limpo e fresco.
Ser neném é ver o mundo de barriga para cima, são tetos, céus, dosséis, rostos enormes, tudo virado sobre nós. Versé. O melhor nado: de costas. Ser neném é boiar, até um certo momento. Até sentar. Vamos mudando de postura, e

E de Estrela


Para Artaud

Vida pesada essa. Sempre muito esforço e quase nenhum retorno. Mamãe vai dizer que sou ingrata, e ela provavelmente está certa. Só que às vezes dá um desânimo, em especial no começo do dia, quando por algum motivo você acorda e dá com o sol por nascer. O fundo do céu talhado de rosa, o resto é um azul leve, logo não será mais daquela cor. Essas horas em que o mundo escancara suas transições, que no entanto são constantes, só a gente que não percebe. Você não colocou o despertador nem está saindo de uma festa. Não passou a noite com alguém especial, nem escrevendo ou meditando. Você simplesmente acorda, vai ao banheiro e vê o mundo acontecendo da janela lateral, destituído de poesia e sentido no seu mundo.
O sol ali, sem pedir licença nem perdão nem plateia, surge. Ele não indica mais um dia de lida que começa nem chama os boêmios para o café na padaria. Nessas horas a gente só assiste, insignificante. Tudo parece tão besta e fora de propósito. Trabalhar, ganhar dinheiro, construir carreira, limpar a casa, brigar por um mundo melhor, por direitos, pela divergência de preço no caixa do supermercado. O sol nascendo é real, a única coisa real, inevitável. O resto é um desgastado teatro de costumes do século XIX. Protocolos de um jantar entre líderes de Estado. Tem novela e jornal de segunda a sábado. Futebol às quartas e domingos. Para vagabundo todo dia é fim de semana. Gente direita, que leva a vida como tem que ser, sabe a hora da diversão e a hora da obrigação. Bons cidadãos, gente de bem. A comunidade que todos queremos: educação, segurança, saúde, infraestrutura e saneamento básico. Que belo plano de governo! Uma beleza!
Ao trabalhado na condução, aquele sol indica mais um dia de labuta. As faxineiras vão lavar pias cheias de louça, passar café, limpar cocô de cachorro no quintal. O operário carregar sacas de cimento, operar máquinas, erguer mais um edifício. Lançamento, imperdível, 2 quartos (3o. reversível), vaga de garagem, área de lazer com deck molhado, espaço gourmet, brinquedoteca e espaço fitness. Entrada e mais um zilhão de prestações. Pagamento facilitado. Visite o decorado.
O boêmio sorri para o sol, o dia nasce feliz para ele. Aplaude e vai para casa (se conseguir) curar a bebedeira. A socialite olha-se no espelho, decide onde necessita de nova plástica, e então fecha as cortinas e toma seus tranquilizantes. O resto nem vê. Levanta quando já é dia e segue sua trajetória rumo ao sucesso, com ajuda de café e rivotril.
E o sol lá nascendo, em períodos fixos, até que o cosmos decida o contrário, sem piedade nem consideração por nenhum de nós.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Profanações




Treva, treva. O universo inteiro. A terra vazia e nua; e a face e o espírito das águas e a luz. João alumia os que vivem nas trevas e na sombra. Lucas foge nas ondas. A treva um remédio. A treva de inteligência. Idéias claras, a única luz a estupidez de luta. Enfim, quanto é vão o mundo e a disputa. Ilusão. Só encontrei dor e confusão bruta.

A linha tênue do gozo



A noite perfeita. Duas vasilhas e uma almofada. Em meio a citações poéticas, a agulha pela noite adentro atrás da poltrona. Estendeu-se da testa para a face, a transparência de uma máscara de cera amolecida. A ponta da língua nos lábios, a boca a se abrir com esforço. Do regaço para o chão, as mãos crispadas, agarrando a camisa. Tremeu inteiro. Nariz, boca, cabeça, peito. Subi nos seus joelhos. Aos poucos o tremor foi diminuindo. O peito banhado de suor. Com a outra mão afagou minha cabeça. Seu líquido encontrou o meu. Cessou o tremor. Por que tive o sentimento de que ele não estava mais ali? "Então, meu gato?" "Não é nada." A máscara úmida apagou-se tranqüila. Silêncio e pobreza. Recostou a almofada na cadeira e fechou os olhos. Fechei os meus. *

* O grosso dessa imagem foi construído a partir de trechos extraídos da cena em que Rahul, gato de Rosa Ambrósio, narra o momento em que Gregório se suicida, forjando um infarte, no romance As Horas Nuas, de Lygia Fagundes Telles. Uns poucos trechos são da mesma obra, e estão presentes nas páginas 42 e 123. A cena do suicídio está nas páginas 101-102. Edição da Rocco, de 1999.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Faz dois janeiros


Janeiro. Uma tarde quente. Muito quente. Há dois anos. Poderia inclusive precisar o dia, porque algumas horas depois tiraram uma foto minha. Estou de costas para a paisagem de um dos lugares mais queridos no mundo para mim: o centro do Rio de Janeiro. Estou de cabelos soltos, vestindo minha bata branca favorita, no Parque das Ruínas. Uma imagem do instante em que se olha uma imagem.
Um conto é uma imagem. Um recorte de um mundo. Daquele início de tarde de cozinhar corpos e coisas, retive uma imagem. Gostaria de ter tido a oportunidade de fotografar. Não dizem que escritores são metabolizantes capazes de sintetizar o mundo? Gostaria de ter cristalizado aquela imagem num conto. Mas até hoje não consegui. Tentei, mas não sou pintor*. São mais até. Duas no mínimo.
Naqueles dias eu me tornava gente. Não sei se algum dia tinha deixado de ser, ou se nunca tinha sido. Mas naquele tempo eu começava ou voltava a sê-lo.
Último sinal da Augusto Severo antes da Teixeira de Freitas e do Passeio Público, em frente ao IHGB. Olhei à esquerda.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

#TBT (ou ainda sobre resistir)

Para os meus amigos




Um político há alguns meses, em meados do ano passado, em resposta ao título de uma minissérie, Os Dias Eram Assim, pediu que os internautas postassem fotos dos tempos da ditadura. Como bons seguidores do ídolo, eles assim o fizeram, e o resultado foi uma coletânea de fotos de artistas na praia, rindo em festas e etc. O argumento que ele pretendia defender? De que "os dias eram assim" na realidade: a ditadura havia sido um tempo bom. Se até os intelectuais e artistas que foram presos e censurados estavam ali sorrindo à larga, como podemos afirmar que foi ruim?  As imagens não desmentem as palavras?

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Uma linha



Dia quatro. Três meses. Uma linha deitada, no quarto dedo, da mão que eu escrevo. A marca o sol tirou. O vinco cedeu com os dias. Dez anos. Não tivemos filhos. No meu corpo só o que sobrou foi essa linha. Talvez já estivesse ali antes disso. Mas verifiquei todos os outros dedos. Àquela altura daquele jeito, só essa linha, do quarto dedo, da mão que eu escrevo. Será que um dia vai sair? Não importa. Talvez voltemos a contar nosso tempo. Mas não quero voltar a marcar, o quarto dedo, da mão que eu escrevo.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Ennui

Desenho babadinhos
Um carneirinho
Nuvem
Caderninho de menina
Quase um Bob-esponja
Cartazinho de colégio
Cafona
Muito cafona
Cartolina
Papel crepom
Plissadinho
Uma porção de bundas
Pétalas
Bordadinhos.

Total bore

Boredom
Doom
Bore
Total bore
Boris
Isto é uma vergonha
Vim pra cá
E tem uma floresta lá fora

domingo, 12 de março de 2017

Ensaio Pasolini - Futebol e Poesia

O futebol "é" uma linguagem com seus poetas e prosadores


Pier Paolo Pasolini
Tradução: Nicole A. Marcello

Pasolini joga futebol. Foto de Federico Garolla. Fonte: Centro Studi Pier Paolo Pasolini di Casarsa della Delizia

No debate em curso acerca dos problemas linguísticos que dividem artificialmente literatos de jornalistas e jornalistas de jogadores de futebol, fui entrevistado por um jornalista muito simpático para "O Europeu". Mas as minhas respostas na revista mostraram-se um tanto inconsistentes e fracas (devido às exigências jornalísticas!). Como o assunto me interessa, gostaria de retomá-lo agora com mais calma e com plena consciência daquilo que digo.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

A Voz do Brasil


Brasil, sexta-feira, 13 de maio de 2016. 19 horas. Horário de Brasília.

Sabemos que a Guarajuba, árvore que considerávamos extinta há dezoito anos, teve um exemplar encontrado em Niterói.

Comemora-se o dia da Virgem de Fátima.

Vejo que da lama mais abissal saiu aquele que é meu maior tesouro.

Li numa camiseta que "A vida ainda vale a pena".

Uma amiga saiu de seu bloqueio criativo.

Uma frente fria tomou o Rio, e cai uma chuva fina (por vezes não tão fina). A essa altura só os parvos e os articuladores são capazes de comemorar a atual situação. As hienas e os ratos. Mas impera um estranho silêncio.
Foi numa noite de quinta para sexta que aquele homem comeu com seus doze companheiros.

sábado, 22 de março de 2014

Tela sobre duas rodas

Entrando numa vibe minimalista, depois de uma experiência que eu deveria repetir mais vezes. Desta vez não vou ficar me explicando: quem entender o poema, maravilha! Se não entender, só lamento.




TELA SOBRE DUAS RODAS




Um passo,
um impulso,
ganho a rua,
cruzo o sinal.



E veloz,